quarta-feira, 16 de março de 2011

AS GÍRIAS

As matérias da REVISTA LÍNGUA PORTUGUESA são ótimos materiais para se trabalhar em sala de aula. O texto adaptado abaixo pode ser lido pelos alunos a fim de suscitar uma discussão sobre as gírias. Abaixo, elaborei uma atividade como exemplo de como o texto pode ser aproveitado.  

O UNIVERSO DAS GÍRIAS

As gírias estão cada vez mais presentes no dia a dia dos jovens, historicamente um dos grupos responsáveis por modificações nos idiomas do mundo. Ela não é, obviamente, primazia dos jovens das metrópoles. Esse fenômeno de linguagem ocorre em diferentes setores sociais para distinguir um determinado grupo dos demais. É uma marca distintiva, como também o são o sotaque, a entonação, a linguagem corporal e o uso de certos sinais e símbolos materiais como roupas, tatuagens e piercings.
         __ O grupo forma seu código dependendo da motivação, da ideologia, do conhecimento do léxico da língua e da criatividade. É claro que cada grupo empresta ao vocábulo o sentido que deseja. Mas quando uma dada gíria tem seu código descoberto, sua função principal deixa de existir, pois não se constitui mais em um segredo __ diz Djalma Cavalcante Melo, professor de Lingüística da UnB.
         Professora de Teoria Literária da USP, Walnice Nogueira concorda: __ As gírias tendem a constituir uma linguagem cifrada, que é para não serem entendidas por quem é de fora. Por isso, podem se tornar discriminatórias ou servirem como autodefesa. Não necessariamente, mas elas têm essa potencialidade.
         Tal linguagem fechada, não raro bem-humorada, rebelde ou agressiva, acaba se difundindo para um universo diferente do original quando membros do próprio grupo usam-na para comunicar-se com pessoas de outros estratos sociais.
         Assim, enquanto muitos termos ficam restritos ao segmento em que nasceram, por serem bastante específicos, outros terminam incorporados em dicionários, com a observação “gíria”, até serem “oficializados” no léxico.
         __ A gíria surge num determinado grupo e se propaga. Daqui a pouco, vários estão falando. Por isso, ela não é fechada, ou seja, não nasce e morre num mesmo grupo __ acredita a jornalista Kárin Fusano, autora do livro Gírias de todas as tribos.
         Um exemplo seria “esquema”, por muito tempo gíria entre bandidos para indicar a preparação de um golpe; nos de hoje, está popularizada. A tendência, em casos do gênero, em que ocorre a popularização da gíria, é que o grupo que a usava crie novo termo com efeito similar.
         __ Todo mundo fala gíria e não dá para negar que faz parte do nosso dia-a-dia. Ela é um fenômeno que surge muito espontaneamente e, por isso, não se esgota. Depende muito da empatia das pessoas com a palavra __ diz Kárin Fusaro.
         Cada vez mais pesquisadores têm se dedicado ao estudo das gírias, com diferentes finalidades, avalia Ricardo Monteiro, da Universidade Anhembi Morumbi. Segundo Monteiro, a sociolingüística, por exemplo, distingue e analisa as marcas da identidade de qualquer segmento social como um fim em si mesmo, porque possibilita uma compreensão mais aprofundada a respeito da linguagem e seus usos, além de permitir um conhecimento maior sobre os costumes e valores dos diferentes grupos sociais.
         Já para o marketing, analisar e conhecer os signos dos diversos grupos leva a estratégias de comunicação adequadas às segmentações do mercado. A adoção de um registro de linguagem rejeitado pelo segmento que se quer atingir induz ao fracasso de uma campanha publicitária.
         A gíria pode, por exemplo, ser motivada pelo preconceito. Nilton Tadeu defendeu uma dissertação de mestrado na PUC-SP, em que realiza um levantamento das gírias homossexuais. Ele concluiu que, no caso desse grupo social, o que faz com que a gíria se alimente e se renove é o preconceito, em que gays cifram a própria linguagem para conversar em qualquer ambiente sem necessariamente identificar-se como homossexuais. A gíria, portanto, seria nesses casos  um reflexo lingüístico do preconceito social.
         __ A gíria existe pra expressar entre os que sabem e para não comunicar aos que não sabem. A comunicação só existe se você conhece o sentido. E é esse processo que vai sendo reconstruído com muita rapidez __ observa Nilton Tadeu.
         O estudo das gírias, por isso, pode revelar-se uma ferramenta fundamental para que se compreenda a complexidade social do Brasil e também para que se descubra uma das mais fortes razões para a constante mobilidade e transformação da língua portuguesa.


Revista Língua Portuguesa, número 15, 2007.

ATIVIDADES SOBRE O TEXTO

  1. A gíria é um fenômeno de linguagem que, possui uma função ou finalidade. Qual?


  1. Que fatores influenciam na criação das gírias?

  1. Por que se diz que a gíria é uma linguagem cifrada?

  1. Transcreva do texto a importância do estudo das gírias para:
a)     a sociolingüística:
b)     o marketing:

  1. Embora cifrada, a gíria não é fechada. Explique essa afirmação.

  1. Por que o segundo parágrafo inicia-se por com um travessão?

  1. No quarto parágrafo, em “usam-na para comunicar-se com pessoas...”, o elemento destacado está representando que termo expresso anteriormente? Qual a classe gramatical desse elemento?

  1. Quantos fonemas temos em:
a)      homossexuais:
b)      pesquisadores:
c)      léxico:
d)     processo:

  1. Transcreva do texto quatro palavras proparoxítonas:

  1. Transcreva do texto três estrangeirismos:

  1. Dê exemplos de gírias que você conheça e seus respectivos significados:
(PESSOAL)

12. Informe o significado das gírias abaixo:
ANIMAL: algo muito bom;
BABADO: fuxico, fofoca;
BARRACO: escândalo, briga;
BARANGA: mulher feia;
BICHO: muito bom;
BROTO: pessoa jovem,bonita;
BUZUM: ônibus;
CHAPADO: bêbado:
DETONAR: fazer sucesso;
IRADO:  muito bom;
MANEIRO: muito bom;
MASSA: muito bom;
MALA: pessoa chata;
MINA: menina;
MICO: vexame;
ROLÉ: giro, volta;
RANGO: comida, lanche;
SARADO: musculoso, bonito;
SANGUE: bom;
SINISTRO: bom;
VELA: pessoa que atrapalha o namoro de um casal.
AMARRADO: apaixonado;

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário